A exposição prolongada a agentes cancerígenos (físicos, químicos ou biológicos) presentes no ambiente de trabalho dá origem ao chamado “câncer ocupacional”. A localização do tumor está diretamente associada às regiões do corpo que estão em contato direto com as substâncias cancerígenas, seja na fase de absorção (pele, aparelho respiratório) ou de excreção (aparelho urinário), durante a realização da atividade profissional.

Estima-se que entre 8% e 16% dos casos de aparecimento de tumores estejam associados aos fatores ocupacionais. Segundo o diretor da Oncomed-BH, Roberto Fonseca, a incidência do câncer ocupacional no Brasil é alta particularmente entre os trabalhadores rurais. “Esses profissionais estão expostos à radiação solar (UVA e UVB) e a agentes agrotóxicos. Somos um país tropical e campeão mundial no que se refere ao uso de venenos agrícolas”, aponta.

Ainda de acordo com Fonseca, inúmeros agentes cancerígenos podem ser encontrados nas zonas de atividade, sendo os de maior gravidade os pesticidas, amianto, sílica, radiação ionizante e solar, benzeno, além de agentes biológicos. “É importante frisar, ainda, que o fumo em ambiente de trabalho e, também, o tabagismo passivo potencializam os efeitos cancerígenos de outras substâncias, assim como o álcool, a obesidade, a dieta inadequada e a inatividade física”, destaca o especialista.

Alarmante. Conforme levantamento realizado pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca), pelo menos 19 tipos de tumor – entre eles os de pulmão, pele, fígado, laringe, bexiga, estômago, fígado, mama e cérebro e as leucemias – estão relacionados à ocupação e ao ambiente de trabalho.

Profissionais como cabeleireiros, pilotos de avião, comissários de bordo, farmacêuticos, químicos e enfermeiros estão entre os mais propensos ao desenvolvimento desses tumores.

 

Prevenção. Estudos mostram que 90% dos cânceres estão associados a fatores ambientais. Para se evitar que o profissional entre em contato com substâncias ou agentes que coloquem em risco sua saúde, alguns procedimentos devem ser tomados, como a remoção da substância cancerígena do local e o uso rigoroso dos equipamentos de proteção individual (máscaras e roupas especiais).

Fonseca ainda frisa que outros fatores importantes para a prevenção são a boa ventilação do local, uma maior conscientização dos empregados e dos órgãos de classe quanto aos riscos de substâncias químicas, agentes biológicos, radiação ionizante ou solar nos ambientes profissionais, uma maior eficiência dos serviços de medicina do trabalho e a proibição do fumo nos ambientes utilizados pelos trabalhadores.

 

Fonte: https://www.otempo.com.br/interessa/entenda-quais-s%C3%A3o-os-riscos-do-chamado-c%C3%A2ncer-ocupacional-1.1610527