Pesquisadores da USP buscam medicamento para inibir vírus da Zika no organismo

 

Equipe de pesquisadores da USP de São Carlos, em São Paulo, conseguiu identificar uma estrutura de proteína principal do vírus, que é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. A próxima fase da pesquisa é descobrir quais moléculas são capazes de torná-lo inativo.

Pesquisadores têm utilizado substâncias presentes no açafrão para matar as larvas. Eles descobriram que a curcumina, substância presente neste tempero pode ser responsável por matar as larvas. Segundo a equipe, quando a larva ingere a substância, e é exposta a qualquer tipo de luz, principalmente a luz solar, ocorre uma reação que leva a destruição do intestino da larva, levando à morte em pouco tempo.

Basta colocar o pó em locais onde o mosquito da dengue costuma reproduzir-se, como pratos e vasos de plantas, que a larva ingere a substância e morre pouco depois, mesmo quando o local não está literalmente exposto ao sol.

Além de ser um método eficiente, não agride o meio ambiente. Mas os pesquisadores alertam que não é o açafrão comum da culinária, que podemos jogar nos criadouros, mas sim uma molécula sintetizada em laboratórios.

Apesar de estarem ainda em fase inicial, a pesquisa já representa um avanço. Presume-se que ainda leve um tempo longo para se descobrir quais moléculas possam se encaixar nessa proteína, a fim de bloquear seu funcionamento, principalmente devido a grande preocupação pela doença e seu impacto neurológico devastador.

 

Fonte: g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2017/01/pesquisa-da-usp-busca-medicamento-para-inibir-virus-da-zika-no-organismo.html